segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O uso do palavrão no marketing: Comercial do Habib's


Nada melhor do que soltar um palavrão com a boca cheia. Um "put%$ q^# p#@riu" bem dado, na hora certa, tem o seu valor.  Alguém me disse isso uma vez e acho que concordo. Apesar de inapropriado, um estudo mostrou que dizer palavrões pode ajudar a aliviar a dor, com o alerta de que apenas funciona quando a pessoa não faz isso com frequência. Ou seja, quanto mais palavrão você fala ao longo do dia, menos ele funciona e mais ele perde o caráter terapêutico :)))))
Ou seja, fale palavrão, mas com moderação.

Apesar de terapêutico :) raramente vemos palavrões na publicidade. Palavrão soa agressivo, inapropriado, choca as criancinhas e os mais velhinhos, é difícil saber o momento certo de aplicá-lo e tal momento pode ser diferente para cada pessoa. É fato que um palavrão bem aplicado pode dar ênfase para alguma situação específica, um momento de raiva, de surpresa ou de felicidade absoluta. Ele intensifica um sentimento e amplifica o impacto. Usá-lo carrega uma espécie de tabu e por isso usar palavrão em marketing é uma ousadia e carrega altas doses de risco.

O Habib’s começou a veicular um comercial em dezembro anunciando a venda de pratos italianos em suas lojas, ou deveria chamar de cantinas? A novidade é que o comercial é estrelado por velhinhas italianas nada amáveis. As nonnas e os nonnos transmitem simpatia, aparecem em situações incomuns e soltam o verbo. É um desfile exagerado de palavrões. Acho que eles podiam ter sido mais sutis. O fato é que o comercial já divide opiniões. Alguns gostam muito, outros dizem que o Habib's passou do ponto. Ahhh, vale dizer que o mesmo comercial na TV não tem palavrão. A "boca suja" só rola no You Tube.
O que você acha?


Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

6 comentários:

nelson chapira disse...

O comercial já tem uma monte de coisas para marcar, usando bem a imagem dos velhinhos, do fusca, do careca tatuado. Não entendi prá que os palavrões. Além do mais, faltou mostrar o essencial: cadê a comida?
Resultado: o "criativo" vendeu palavrão...

Luan disse...

Nem sempre um comercial precisa mostrar o produto que se quer vender. a ipiranga, ganho o prêmio de melhor comercial com aquela publicidade do caminhoneiro peguntando milhoes de coisas e o respondente mandando ele perguntar no posto ipiranga.
Agora, palavrão! O fato de ser arriscado é muito valido, então em vez de usá-los abertamente, façamos o uso do PIIIIII quando forem pronunciados. Dessa forma acredito que a publicidade continuaria com o ar engraçado, divertido e, ao mesmo tempo, não incomodaria os ouvidos de quem não gosta de ouvir palavrão (conheço um monte). Essa estratégia foi usada em 2013 por um comercial de uma marca de carro (não lembro qual é)

Mauro Segura disse...

Obrigado pela colaboração dos comentários. Eu acho que o uso do palavrão foi divertido e deu dramaticidade ao comercial, mas ainda acho que foi um exagero no número aplicado. No final ainda aparecem dois palavrões que me pareceu "over".
Em relação a comida eu fiquei na dúvida. Se o prato é especial e diferenciado, então deveria aparecer a imagem dele mostrando o que tem de especial. É o sabor? A quantidade? A receita? Não mostrar me indicou que ele não é tão especial assim. Não acho que isso mata o comercial.
A verdade é que o comercial tem impacto e eu estou curioso para passar no Habib's para conhecer a novidade. Não era essa a intenção? Então eles acertaram :)
Abraços. Mauro.

curtidas no facebook disse...

hhah gostei do comercial e do post !

Fraancieli Canan disse...

não consegui ver o video :(

bsmbrasil disse...

Sensacional!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...