quarta-feira, 20 de julho de 2016

Inteligência Artificial está chegando - Uma conversa com o Dino

 
A inteligência artificial e a computação cognitiva estão chegando em alta velocidade e vão invadir o nosso dia a dia. Conheça aqui o Dino, o brinquedo cognitivo que tem conversas inteligentes com crianças.

Dino é um Cognitoy da linha de brinquedos inteligentes da Elemental Path e, por enquanto, somente é vendido nos Estados Unidos. Ele utiliza o Watson, tecnologia cognitiva capaz de interagir, entender linguagens, aprender novas habilidades e raciocinar como seres humanos. Dino é o exemplo perfeito da era da inteligência artificial e da computação cognitiva em nossas mãos.

Hoje ele fala somente inglês e é voltado para crianças, imagine o Dino falando diversos idiomas e sendo expert em várias áreas do conhecimento humano. A sociedade vai mudar radicalmente, o mercado de trabalho também, com o surgimento e a transformação de muitas profissões.
     


 
   
Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

terça-feira, 28 de junho de 2016

Orgulho LGBT - Dia 28 de junho

 Dia 28 de junho é o dia do Orgulho LGBT.
Mas você sabe por que usamos a palavra "orgulho"? E por que dia 28 de junho?

 
   
Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 20 de junho de 2016

O que você não viu no vídeo que superou os 150 milhões de views no Facebook

Por que o efêmero vídeo de Candace Payne explodiu na internet? O que está por trás desse novo fenômeno das redes sociais? É intrigante como algo tão comum chegou aonde chegou. Aqui eu tento explicar isso e dar o meu ponto de vista sobre o caso. Quando o vídeo de Candace apareceu, eu esperei num canto para ver até onde iria, antes de tentar entender o que estava acontecendo. Portanto, propositadamente, eu aguardei alguns dias antes de escrever esse post.

Você não sabe quem é Candace Payne? Aqui vai um super resumo.
Essa senhora norte-americana de 37 anos publicou um vídeo no Facebook no dia 19 de maio, às 15:24 h. Aproximadamente 7 horas depois, ainda no mesmo dia, o seu vídeo já havia superado um milhão de views. Ela, no vídeo gravado no smartphone e postado ainda dentro do carro no estacionamento da loja, falou algo mais ou menos assim: “Eu gostaria de dizer que comprei isto para o meu filho, é algo que ele realmente deseja. E vou ser honesta, ele provavelmente confiscará isso… entretanto, isso é meu porque eu comprei e vou manter isso como meu”. E aí veste a máscara do Chewbacca, continua falando para a câmera e não para mais de gargalhar. É contagiante, infantil e autêntico. É quase impossível não gargalhar junto. Veja o vídeo e tente não embarcar na onda.


    
A explosão foi imediata. Quando escrevo esse post, o vídeo de Candace no YouTube está com inacreditáveis 157 milhões de views e mais de 3,3 milhões de compartilhamentos. Digite o nome dessa senhora na linha de busca do Google e aparecerão aproximadamente 600 mil resultados. O número de acessos em sua página no Facebook foi para a estratosfera.
Alguns de seus posts têm milhões de visualizações e dezenas de milhares de “likes”.  Surgiram milhares de vídeos sobre ela e a máscara sonora do Chewbacca, muitos deles com dezenas e centenas de milhares de views, alguns na casa dos milhões. A loja onde Candace comprou a máscara, a Kohl’s, tomou carona e fez uma ação oportunista de marketing via vídeo… e tal vídeo já ultrapassou 33 milhões de views. Tudo relativo ao caso surge com largos números e superlativos.


    
A máscara do Chewbacca da Hasbro está esgotada. Tudo foi vendido e agora virou peça rara, só encontrada em alguns fóruns especiais com preços marcianos.
Candace foi convidada para programas de TV, como o Entertainment Tonight, Good Morning America, The Late Show with James Corden e vários outros. Ela esteve com J.J. Abrams, o diretor do filme mais recente da saga Star Wars. Ela visitou o estúdio da LucasFilm em San Francisco. Candace também foi convidada por Mark Zuckerberg para visitar a sede do Facebook, especialmente porque o seu vídeo registrou o número recorde de acessos dentro dessa rede social. No Facebook, ela foi recebida com festa destinada às celebridades e parece que se divertiu bastante. Mark postou sobre sua visita. Tudo isso aconteceu em poucos dias, como um tsunami.

Porém, como qualquer nova celebridade que aparece no pedaço, Candace está tendo a sua vida completamente radiografada por todos os lados, com notícias denunciando fatos de sua infância, família, preferências, virtudes, mazelas e confidências. Já falam de seu marido, de seus filhos e de suas experiências na universidade. Enfim, Candace virou figura pública.

Como pode algo tão efêmero se transformar em um fenômeno mundial quase sem precedentes? O que está por trás do caso de Candace Payne?

A resposta parece ser simples e óbvia: ocorreu um alinhamento de uma série de coisas que fizeram o vídeo ganhar interesse. Concordo com essa resposta, mas ela não é suficiente para justificar que mais de 150 milhões de pessoas tenham tido a curiosidade de assistir Candace gargalhando com uma máscara no rosto e milhões tenham compartilhado o vídeo. O fato é que não estamos exatamente diante de uma pessoa comum e nem as condições eram tão desfavoráveis assim para o crescimento da audiência do vídeo. Aqui estão alguns elementos que criaram a mágica de tudo isso.

1- Empatia
Ela parece ser uma pessoa como eu e como você. Ela realmente não é uma super star e nem uma celebridade. Ela zomba de si mesma por ser gordinha. A situação de estar num carro dentro do estacionamento é rotineira e do cotidiano. Ela age como se estivesse contando uma confidência no vídeo, quase um segredo. Também não esconde o fato de que ela comprou a máscara para si mesma e não para os seus filhos, ou seja, é um adulto agindo como criança dentro do carro num estacionamento. Tudo isso cria uma identificação das pessoas com ela. Estamos falando aqui de empatia.

2- Suspense
O fato de ela falar que tem um segredo, cria curiosidade. Ao mostrar que tem relação com Star Wars, ela aumenta o suspense e a curiosidade do ouvinte por saber o que ela tem mãos que tem tanto valor para ela. Isso tudo prende o ouvinte até o segredo ser desfeito. Nesse momento você já está dominado pelo encantamento dela, especialmente por conta do suspense criado.

3- Inocência
O momento de Candace é um momento efêmero e de felicidade pura. Muitas pessoas podem ter curtido porque gostariam de ter a inocência, o desprendimento e a alegria de Candace. As pessoas adoram isso. Muitos viram até o final para ver até onde iria aquela alegria toda.

4- É Star Wars!!
Candace não tem uma máscara qualquer em mãos. Chewbacca é um dos personagens mais amados da série Star Wars. O seu rugido trouxe diversão e surpresa ao vídeo. Não negligencie o fato de a máscara ser do Chewbacca; tudo que se refere a Stars Wars parece ter o toque de Midas. Experimente colocar nas mãos de Candace uma máscara do Saci Pererê e veja o que acontece. Certamente o fato de ser o Chewbacca fez diferença.

As razões acima são evidentes, acho que todos concordamos com elas, mas estou convencido que existem outros motivos que potencializaram o número de views:

1- Candace é uma pessoa talentosa
Ela é encantadora, carismática e genuína. Sua gargalhada é encantadora e crível. A leveza e a alegria de Candace são contagiantes. É impossível ver o vídeo sem sorrir, mesmo que você fique se perguntando: “Por que eu estou perdendo tempo vendo isso?”. Ela fala da família e um pouco de si antes de contar o que tem para contar, evidencia que é geek e monta o contexto. Ela leva o ouvinte a pensar que ela é pouquinho louca e fora de regras, por falar “sozinha” dentro do carro num estacionamento. Pergunta para o ouvinte se a palavra “confiscar” está correta reforçando o conceito de uma pessoa comum que também se confunde com as palavras. Ela é uma contadora de histórias, o vídeo tem um roteiro perfeito, com todos os elementos fundamentais de um bom storytelling. Nesse vídeo ela construiu conscientemente um clima de suspense e manteve a curiosidade sobre Star Wars desde o início. Eu diria que a espontaneidade que ela apresenta no vídeo é uma espontaneidade dirigida, ela sabia o que estava fazendo. Esse não foi o primeiro vídeo de Candace. Se olharmos a timeline de seu Facebook verificaremos que ela já vem postando vídeos e conversando com seus seguidores já há algum tempo. Ao longo do tempo ela evoluiu no uso da câmera e nas gravações em vídeo. Veja as entrevistas que ela deu na TV depois do sucesso do vídeo e você verá uma pessoa eloquente, que tem domínio de câmera, da voz e da pegada de contar uma história. Estamos diante de uma pessoa treinada em fazer vídeos… espontâneos. Ou seja, Candace é uma pessoa talentosa, quase uma atriz, ela sabe atuar bem e sabe construir as mensagens.

2- Candace tem forte atividade comunitária
Candace é texana, muito religiosa, super ativa em sua comunidade e no Facebook, publicando e compartilhando muito conteúdo frente à sua comunidade. Esta sua atividade ajudou a construir a sua reputação perante um grande número de pessoas, que já a seguiam no Facebook antes do vídeo explodir. Portanto, sua atuação junto à comunidade merece ser destacada, conversando de forma transparente sobre as coisas que acontecem cotidianamente em sua vida, publicando conteúdo positivo e alegre, compartilhando sua fé religiosa e criando vínculos fortes. Ou seja, Candace já vinha investindo seu tempo e criatividade para crescer sua imagem perante a comunidade que a seguia dentro da rede social, com um número considerável de admiradores, e foi isso que gerou a massa crítica mínima suficiente para fazer crescer exponencialmente a visibilidade de seu vídeo. A comunidade reagiu e deu um bom empurrão inicial para a viralização do vídeo, compartilhando-o intensamente com suas conexões.

3- Candace é produtora intensiva e experiente de conteúdo digital
Antes do vídeo explosivo, Candace já havia publicado aproximadamente 50 vídeos em sua timeline no Facebook. Ela não tem receio de fazer e experimentar coisas, ela vai lá e faz. Ela publica com regularidade todo tipo de conteúdo, suas opiniões, preferências, com transparência e ingenuidade. Ao longo do tempo ela foi conquistando milhares de seguidores, evoluiu aprendendo o que postar, como postar e o que provoca mais reações de curtir e comentários. Ela criou um estilo próprio, que é procurar divertir as pessoas, isso fica evidente em sua timeline. Ou seja, Candace não é uma usuária inexperiente e inativa nas redes sociais, ela não é igual a maior parte dos usuários do Facebook que apenas consomem conteúdo e que de vez em quando curtem alguma coisa. Ela é exatamente o oposto. Ela produz conteúdo digital regularmente, postando textos, imagens e vídeos. Ela aprendeu a contar histórias e a evidente evolução de seus seguidores mostra o seu progresso como contadora de histórias. Ela construiu uma audiência que parece motivada em compartilhar o que ela cria e publica.

Por fim, e isso é mera especulação de minha parte, eu acredito que a turma do Facebook identificou os primeiros estágios de crescimento do tráfego desse vídeo identificado-o como um tesouro em potencial. Então por que não ajudá-lo? Por que não dar mais exposição e fazer os algoritmos ajudá-lo um pouquinho? Por que não fazer a máquina de PR dar um pouco de visibilidade para ele? Enfim, acredito que tenha ocorrido dentro do Facebook uma motivação em ajudar intencionalmente o crescimento no número de views do vídeo.

Como curiosidade, a paixão de Candace por Star Wars e Chewbacca não é de hoje. A timeline dela no Facebook denuncia isso. Veja que ela postou uma foto dela usando uma máscara do personagem abril, no aniversário de um de seus filhos. Ela realmente gosta do Chewbacca. O fato de ela “roubar” a máscara do filho não foi algo fugaz ou forçado, ela realmente gosta do cara peludo.

Você pode até não concordar comigo, mas vejo o caso de Candace Payne como consequência de um alinhamento perfeito de estrelas, um exemplo perfeito de storytelling, somado a uma pessoa extremamente talentosa, ativista digital, que já tinha um significativo número de seguidores e um desejo enorme de um monte de gente para ver esse vídeo explodir, inclusive do próprio Facebook, como já citado acima.  Parabéns, Candace, a Força está com você!

Saiba mais do caso nos links abaixo.
Agradeço imensamente aos meus amigos no Facebook que postaram em minha timeline suas percepções e leituras a respeito desse caso. Isso me ajudou muito a montar a minha própria interpretação e análise do caso.

Why a Woman Putting on a Chewbacca Mask Is Facebook Live’s Most-Watched Video Ever.

Why ‘Chewbacca Mask Mom’ Is The Most Famous Haul Video To Date.
 
The Amazing Full Story Behind The Latest Viral Phenomenon: Chewbacca Lady.
 
Alright, Enough Already with the Damn “Chewbacca Mom“.
 
Why Chewbacca and Candace Payne were Destined for Stardom, and the Real Content Marketing Takeaways Behind this Success.



Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Dá vontade de explodir tudo pra começar de novo


Aí o CMO de uma grande empresa norte-americana virou para mim e falou: “Eu reconheço que o marketing nunca teve tantas ferramentas para conhecer melhor os clientes e entregar experiências diferenciadas, mas o fato é que eu não aguento mais construir barraquinhos na minha operação. Eu virei um integrador de coisas. Estou o tempo todo tentando colar as coisas. Eu preciso parar e reestruturar toda a área de marketing, essa será a única forma de construirmos algo que permita realmente darmos um salto quântico em nossa operação e na forma como fazemos marketing. Dá vontade de explodir tudo pra começar tudo de novo”. E sorriu um sorriso sem graça.

Nós éramos oito pessoas na mesa do café da manhã, sendo metade de brasileiros e a outra metade de nacionalidades diversas. Estávamos juntos naquela mesa por acaso, chegamos para o café da manhã e procuramos lugares livres nas dezenas de mesas disponíveis. O motivo de estarmos ali era o mesmo de todos: conhecer as mais novas e modernas ferramentas de marketing disponíveis, especialmente aquelas voltadas para relacionamento com clientes. O evento era o Amplify 2016, ocorrido em Tampa, Estados Unidos, de 16 a 18 de maio.

Meu novo amigo CMO norte-americano, de coração aberto, compartilhou as suas dores e ansiedades ali para um monte de desconhecidos. Ficou evidente a identificação daquela turma com quem falava na mesa, com cabeças balançando afirmativamente e testas franzidas, mostrando desconforto e apreensão.

Soluções avançadas de análise de dados para conhecer e entender melhor o cliente, prover experiências digitais diferenciadas e personalizadas e desenvolver conteúdo dinâmico e relevante foram as coisas que carreguei ao sair dos três dias de evento. Também saí com a certeza de que a equação tradicional do omnichannel mudou; em vez de o digital complementar o mundo físico, estamos diante de um mundo onde o digital e a mobilidade total serão os carros-chefes e o físico será complementar. Enfim, uma mudança simples na equação, mas que faz a nossa vida em marketing ficar de pernas pro ar.

O fato do evento ocorrer nos Estados Unidos já tinha criado uma tremenda expectativa, afinal é lá que muitas das inovações em marketing nascem. Ouvi falar muito em “real time personalization”, mas como fazer isso quando a empresa tem centenas de milhares ou milhões de consumidores? Só mesmo fazendo uso de tecnologia e ferramentas escaláveis, que permitam lidar com milhões de transações simultaneamente. O conteúdo no seu site pode mudar conforme o perfil do cliente, ou seja, o mesmo produto pode ser mostrado de formas diferentes conforme a individualidade do consumidor.

Ouvi pela primeira vez a expressão “anomaly detection”, que é quando consumidores apresentam comportamentos específicos que sinalizam estarem saindo da jornada esperada ou que algo muito especial está acontecendo. Por exemplo, quando o seu produto não tem as cores que os clientes desejam e você consegue identificar isso em tempo real em função do comportamento que eles demonstram ao interagir com o seu site de e-commerce. Ou seja, não é preciso esperar o estoque encalhar para tomar uma ação.

Adorei uma expressão que peguei no meio das conversas: “jornada dinâmica do cliente”. Basicamente, significa que nós em marketing podemos até desenhar a jornada do cliente, mas no mundo atual, com tantos canais de interação e conteúdo, cada cliente tem a sua própria jornada, portanto, a criação da jornada é dinâmica, sendo necessário mapear em tempo real o relacionamento do consumidor com a marca e recriar, a todo momento, a sua jornada.

Também aprendi que, apesar de falarmos o tempo todo em soluções tecnológicas, o líder de marketing não precisa ser um expert em tecnologia. As soluções que surgem são cada vez mais amigáveis em termos de instalação e uso. A grande maioria delas é oferecida como serviços na nuvem, permitindo que os CMOS implementem tais soluções sem depender do CIO ou da TI da própria empresa, trazendo velocidade, flexibilidade, escalabilidade e independência para a operação de marketing. Aliás, essa questão de independência de TI foi algo que ouvi recorrentemente nos corredores do evento em Tampa.

Tudo caminha para o marketing se tornar menos empírico do que sempre foi. Obviamente, ainda existe um componente emocional e intangível muito importante, especialmente nas atividades ligadas ao branding, mas as atividades relacionadas à geração de demanda e à experiência do cliente estão se tornando mais racionais do que nunca, podendo ser mensuradas e planejadas de uma forma jamais realizada antes.

Hoje, é possível mapear todas as interações dos consumidores com a marca, entender suas preferências individuais, sua navegação e interesses dentro do mundo digital, seus canais prediletos, suas atividades nas redes sociais e juntar tudo isso para conhecê-lo melhor e oferecer uma experiência individual. É possível desenhar uma jornada individual dinâmica para cada cliente, em grande escala e de forma massiva. Estamos em outra era e estamos apenas no começo dela.

Curta abaixo o vídeo que eu mesmo montei da minha experiência no evento. Acho que você vai curtir. Foram quase três mil participantes, todos de marketing.


Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

domingo, 15 de maio de 2016

Dentro do ProXXIma 2016

ProXXIma é o maior evento sobre comunicação e marketing digital do Brasil e tem foco na tecnologia aplicada ao marketing.  Em sua décima edição anual, o evento trouxe a Isabella ao palco do evento. Isabella é a versão feminina do IBM Watson, que pela primeira vez subiu num palco falando em português para uma audiência de mais de 1 mil pessoas, a maioria de profissionais e líderes de marketing. Depois rolou um painel sobre sistemas cognitivos, inteligência artificial e novas tecnologias com a participação de Fabio Scopeta, da IBM, com a moderação de Pyr Marcondes .
Foi um dia histórico. O Watson é um sistema cognitivo em nuvem, que pensa, conversa, aprende e interage como um ser humano. Para este ProXXIma, o Watson, ou melhor, a Isabella estudou marketing para responder as perguntas ao vivo no palco. Quanto mais a Isabella estudava, mais ela aprendia sobre marketing. Essa foi uma pequena demonstração do potencial dessa fantástica tecnologia.
O vídeo mostra cenas do ProXXIma 2016, realizado em 9 e 10 de maio de 2016, em São Paulo. O vídeo traz também uma parte da apresentação de Antônio Tabet falando sobre como o famoso Porta dos Fundos pode ajudar o marketing das empresas.



Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 4 de maio de 2016

9 motivos para você repensar a sua profissão

Em poucos anos a sua profissão pode mudar radicalmente, é provável que a empresa onde você trabalha nem mais exista e que você nem consiga mais se empregar com o que você sabe hoje.

Veja 9 informações surpreendentes que farão você repensar o seu futuro no trabalho.

Ahhh... é melhor ouvir sentado porque tem risco de você cair da cadeira.


Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

terça-feira, 3 de maio de 2016

“Thank You Mom” da P&G é uma porrada

 Sabe quando você aperta o play, relaxa na cadeira, toma uma porrada, fica impactado, se emociona e os pelos dos braços ficam arrepiados? Foi isso que aconteceu comigo quando assisti ao novo filme da P&G para a Rio 2016.

A campanha “Thank You Mom” foi lançada em 2010, nas Olimpíadas de Inverno de Vancouver, com base no espírito de que por trás de cada atleta existe uma mãe ainda mais incrível. Desde então, ao longo dos anos, a P&G vem lançando filmes publicitários que desenvolvem o espírito da campanha, um mais legal do que o outro, se apoderando de um conceito poderoso e sendo super consistente ao longo do tempo. A campanha é premiadíssima e super reconhecida pelo mercado, estando na lista das melhores campanhas do século XXI, segundo o Advertising Age.

No dia 27 de abril, faltando 100 dias para os Jogos Olímpicos de 2016, a P&G lançou um novo filme publicitário “Thank You Mom”. Desta vez a história trata da força emocional por trás de cada atleta, consequência direta da força transmitida pelas mães para os seus filhos atletas.
Extremamente emocional, com imagens sensacionais, o filme apresenta cenas de pressão, insegurança, perigo, assédio e tensão passadas pelos atletas no seu tempo de crianças, e como esses momentos criaram a personalidade e a força de cada um deles. O esforço, os temores, o apoio, a perseverança, a confiança, o sonho… tudo isso sendo impulsionado e levado pelas mães para transformarem seus filhos em atletas extraordinários.

Tem tempo que eu não vejo um filme publicitário com uma mensagem emocional tão forte e inovadora. As mensagens que esse vídeo carrega são profundas e muito tocantes. Por trás de cada salto ou luta olímpica, não existe apenas muito treinamento, mas toda uma história de vida. Nestes momentos é que vemos como a publicidade pode se renovar, nos ajudar a repensar as coisas e ser transformadora.

Veja abaixo o filme da P&G, mas veja sentado.


Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 25 de abril de 2016

[VIDEO] Perdeu, marqueteiro...



Nós, profissionais de marketing e comunicação, estamos andando no fio da navalha. São tantas transformações que me arrisco a dizer que, a médio prazo, todos nós estaremos desempregados porque vamos virar profissionais "velhos" e "desatualizados". Por trás desse tsunami transformacional estão as novas tecnologias, que surgem a cada momento e que colocam o consumidor no centro de tudo, com poder de escolha, voz e decisão.
O marketing deixou de ser algo empírico e artístico. Hoje falamos de um marketing analítico e tecnológico, quase uma ciência. Esse novo marketing exige novos profissionais. Você está se preparando para isso?
Eu ia escrever sobre isso, mas decidi gravar um vídeo. É um vídeo criativo, que me exigiu um desprendimento incrível, mas completamente em linha com o espírito atual do marketing, que exige storytelling, criatividade e ousadia.

Ahhhh... e não me leve tão a sério :)


 
Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 20 de abril de 2016

[VIDEO] Meu fim de semana no maior Hackathon do Brasil

Foi incrível a minha experiência no maior hackathon do Brasil no final de semana passado, organizado pelo AngelHack, em São Paulo, dentro da IBM.
O vídeo ficou longo, tem 15 minutos, mas está divertido. Veja 3 minutos e depois tenta não ir até o final :) São imagens exclusivas de bastidores, que mostram o lado divertido dessa experiência e a essência do que é um hackathon. Espero que curtam!! :)

#‎angelhacksp‬
#‎anyonecancode‬
#‎hackathonIBM

 
Enter your email address:


Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 11 de abril de 2016

O trem fantasma dos CMOs


A vida dos CMOs hoje em dia, onde me encaixo perfeitamente, parece um trem fantasma. A cada momento vem uma curva inesperada e surge um fantasma diferente.

Os sustos variam, mas são inevitáveis. A dúvida é de onde vem a porrada. A única coisa certa é que ela virá. Cada vez mais surgem novos concorrentes nas indústrias tradicionais, de dentro e de fora do mercado conhecido, especialmente por conta da intensa inovação digital e por um novo consumidor sedento por novas experiências. Em paralelo ocorre uma profunda convergência da indústria.

O único ponto que diferencia a vida dos CMOs do trem fantasma que conhecemos é que a viagem dos CMOs é uma viagem às claras, onde tudo está visível e alcançável. A questão é que essa não é uma viagem de passeio – é uma corrida onde o carrinho roda em grande velocidade. 

Essa metáfora fica evidente no estudo recentemente publicado pela IBM que disseca os anseios, prioridades e pesadelos dos líderes de marketing dentro das empresas. Mais do que meramente os CMOs, o estudo evidencia a vida dos profissionais de marketing e comunicação em geral. Foram 723 líderes de marketing entrevistados presencialmente ao redor do mundo, inclusive no Brasil, onde 60% deles afirmaram que esperam mais concorrência nos negócios fora de suas indústrias tradicionais.

Ou seja, a maioria vive a angústia de ter que olhar além de seus horizontes para entender de onde o seu novo concorrente virá. Isso exige competências, recursos e uma incrível capacidade de análise do ambiente de negócios muito além do papel tradicional do CMO, que normalmente circula no universo do branding, na prospecção e relacionamento com clientes, na batalha cotidiana com os concorrentes e na renovação do portfolio de produtos e serviços.

Estamos falando de CMOs e profissionais de marketing com papéis e responsabilidades muito mais abrangentes e complexos do que aqueles conhecidos em anos recentes. No centro de tudo tem um consumidor diferenciado, que exige uma linguagem transparente e um relacionamento individualizado, com evidente poder de compra e preferência por canais digitais. A questão vai além do consumidor, trata-se de um ambiente de negócios onde os vencedores são aqueles que abraçam a ruptura dos negócios tradicionais. E marketing, mais do que nunca, tem um papel central nesse jogo.


O estudo "Redefinindo mercados - O ponto de vista do CMO" analisou o perfil das lideranças de marketing e identificou dois subgrupos de CMOs: os desbravadores e os seguidores. 

Os desbravadores são aqueles que experimentam modelos de negócio diferentes, com foco obsessivo em mapear a jornada do cliente e no uso de análise avançada de dados para gerenciar o seu negócio. Ou seja, os desbravadores são aqueles que adoram experimentação, gostam de tomar riscos e aceitam falhas e fracassos como parte do processo. Além disso, trabalham cada vez mais com dados para entender e conhecer melhor o seu cliente. 

Os seguidores, como o nome já diz, tendem a seguir o mercado e as suas práticas, dedicando menos esforço na busca da inovação em relação aos desbravadores, mas procurando compensar esse comportamento com mais eficiência e produtividade.

O mais legal do estudo foi descobrir o que tira o sono dos líderes de marketing. Tais pesadelos giram ao redor da criação de novas e melhores experiências para os seus clientes e no desenvolvimento de competências digitais. A oferta de mais experiências inovadoras e engajadoras para os consumidores exige mudanças de comportamento e novas habilidades. É preciso um marketing mais disposto a correr riscos, com maior propensão a abandonar fórmulas e práticas tradicionais já conhecidas. O estudo afirma que as organizações que estão na liderança são aquelas que adotam a chamada ruptura criativa e constroem, a partir disso, modelos de negócios mais abertos e colaborativos, o que leva à inovação. 

Prover melhores experiências para os clientes não é simplesmente uma vontade de querer fazer, nada acontece se não forem adotadas novas tecnologias e se não forem desenvolvidas novas habilidades técnicas. Líderes de marketing estão se aprofundando no conhecimento de análise de dados, no desenvolvimento de campanhas de marketing mais analíticas, no mapeamento da jornada do cliente, na adoção de novas tecnologias e, principalmente, desenvolver habilidades digitais em suas equipes, incluindo buscas de consultorias externas. Não é por acaso que 79% dos CMOs disseram planejar contratar profissionais com profundo conhecimento digital. 

Em resumo, a sensação de trem fantasma é real. Nunca vi colegas de marketing tão desconfortáveis e inseguros como agora, porém não exatamente pelo ambiente de ruptura que estamos passando, mas sim pela constante sensação de que estamos entregando pouco para os nossos clientes e que precisamos fazer mais. Por outro lado, vejo colegas super entusiasmados com tudo isso, aprendendo, criando e entregando experiências excepcionais de valor para os consumidores.

Enfim, curtir ou se assustar no trem fantasma é algo bem pessoal, só não dá para pular do carrinho.

 
Enter your email address:


Delivered by FeedBurner
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...