segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Que cérebro você prefere? O meu ou do meu filho?

Texto (adaptado) publicado no blog Foco em Gerações

Em 2011, completei 51 anos de vida.

Na minha adolescência, eu via TV na sala, jogava bola de gude, dormia cedo, ouvia muito meus pais para aprender com eles, mesmo que as vezes eu não concordasse com suas idéias e convicções, tinha hora para almoçar, gostava de ir na casa da minha avó aos domingos para o almoço em família e o meu círculo de amizade envolvia meus amigos da rua e meus colegas da escola.

Eu não sabia direito o que acontecia no mundo porque as notícias chegavam em conta gotas, raramente eu ficava dentro do quarto porque não tinha nada de interessante dentro dele, talvez o álbum de figurinhas da copa do mundo até valesse a pena, apesar que ele já estava meio surrado de tanto folheá-lo. Eu sofria para ir as aulas de inglês, era uma tortura. Meu sonho era me formar e conseguir trabalho numa grande empresa, para construir uma carreira segura e longa. Adorava ir ao cinema nos finais de semana e ver jogos no Maracanã. O desenvolvimento da minha personalidade e do meu cérebro foi feito assim, até aos 20 anos, num ambiente estruturado, controlado e calmo, com tempo para pensar e buscando um futuro de longo prazo. Eu passei a maior parte da minha vida construindo o futuro. E ele ainda não chegou pra mim, apesar dos meus 51 anos.

A adolescência do meu filho é um "pouco diferente". Ele não vê TV. Aliás, TV é uma espécie de música ao fundo. Quando ele se interessa por algo na TV, ele levanta a cabeça do computador para olhar. Ele se relaciona com centenas de "amigos" ao mesmo tempo, via redes sociais. Amigos podem estar próximos ou longe, não importa muito, podem até ser desconhecidos. Ele não têm idéia do que é bola de gude e nem tem interesse em saber. Nunca dorme cedo e sempre acorda tarde.

Eu escuto muito o meu filho pois aprendo muito com ele, normalmente ele está muito mais informado e sabedor do que "rola" do que eu. Raramente almoçamos juntos, nunca dá tempo, o lance é levar a comida para dentro da toca. O que é a toca? A toca é o quarto dele. É lá que as coisas acontecem. Almoço no domingo na casa dos avós nem pensar. Não tem tempo.

Ele sabe tudo que acontece no mundo, falando com dezenas de amigos ao mesmo tempo em suas máquinas de se relacionar, que pode ser o notebook, o smartfone, o tablet, ou qualquer coisa que se conecte à internet. Faz tudo ao mesmo tempo. Álbum de figurinhas? Só se for na internet. Não tem a menor pretensão de conseguir um emprego tradicional numa grande empresa. Pensa em fazer algo diferente. Ele vai muito raramente ao cinema. Por que, se tudo que ele precisa está na telinha dentro do quarto? Tem facilidade de falar línguas e aprende muito por conta própria. Tem personalidade de empreendedor, gosta de riscos, pensa a curto prazo e é multitarefa. Seu cérebro de adolescente está sendo desenvolvido nesse ambiente aparentemente caótico, multi estimulado e inquieto. Ele não está preocupado em como será a sua vida aos 40 anos. O futuro para ele se resume a poucos anos. O futuro dele é agora.

Então?

Qual dos dois cérebros tem chance de ser mais brilhante, criativo e estratégico?

Quem vive uma vida mais estimulante, diversa e divertida?

Quem deve ouvir quem num relacionamento entre ambos?

Ainda tem dúvida? Passa lá em casa pra ver...
Digite seu email


Um serviço do FeedBurner

5 comentários:

dannets disse...

Caro Mauro,

eu não sei a resposta, do que está certo ou errado. Mas, talvez por instinto de preservação, daria o voto a você. Preservação e torcida. Explico: fiquei cansada só de ler o relato da dinâmica "corrida" de seu filho. E, beirando meus 40 anos, saudosista fico com os jogos de pique na rua, e com o tempo que pude perder sentada no banco da praça do sul de minas, jogando conversa fora...às vezes nem tendo conversa... mesmo que isso, na época, fosse um tédio por falta de ter o que fazer.
À velocidade que tudo anda, meu temor por você e por mim, é que nosso futuro nem chegue, ou passe por nós voando e não consigamos acompanhar.
Assim, prefiro o hoje...e continuo dando preferência às relações mais próximas... mesmo que tendo conhecido meu marido pela internet.

dannets disse...

teste

Mari disse...

Bom, como parte da geração Y quase X (pois estou bem no limiar entre as duas gerações), estou meio em dúvida se gosto mais da infância que tive ou se a de hoje. A que tive foi muito, mas muito boa... brincava de esconde esconde na rua, gostava de sair com a família. A garotada de hoje vive de uma maneira BEM diferente, mas o fato deles terem uma vida tão diferente da nossa não sinifica que são piores. E nem melhores. Significa que são diferentes... e acredito que o grande barato de tudo isso está justamente no fato de que as gerações se complementam e de que, juntas, serão imbatíveis. Basta que saibam conviver e que estejam abertas às diferenças. Adorei ler o post!! Ainda mais no dia que completo meus 30 aninhos ;)
Mari

Isa disse...

Comecei a ler o texto e chamei a minha mãe, ela com quase 51, identificou-se absurdamente com a primeira parte do texto e riu muito com a segunda. Nós estavamos em frente a TV, ela concentrada na novela e eu no facebook, email, blog e claro, a TV com o som ao fundo. O meu irmão estava no quarto, jantando rapidinho quase que em cima da guitarra e batendo checando os emails para não perder tempo. Costumo dizer que sou Y puro(1986) estou ali no auge da geração mas tive uma infância um tanto quanto X sim, primos mais velhos influenciam bastante e o bom da vida é aprender com todo mundo: SEMPRE! @IsaBotaro

Hilzia Elane disse...

Ainda estou confusa, muito confusa ahahhahh.
Mas, tem um outro lugar para passar lá e ver: lá em casa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...