domingo, 19 de outubro de 2008

Vamos entrar todos juntos em crise? OK. Combinado.

Ontem, li um excelente post de Mario Soma em seu blog. Veja aqui.
Mario está certíssimo. Esse negócio de crise generalizada gera um espiral difícil de entender e de dominar.
Parece que todo mercado combina assim:
-- Vamos entrar em crise? Todo mundo topa entrar em crise? Então tá. Estamos em crise a partir de agora.
Confesso que, na minha avaliação, parte desse processo cabe aos profissionais de comunicação que adoram uma boa chamada de capa.

Na quinta passada, eu tive conhecimento de um caso de um empresário que é emblemático. Esse senhor, que é um grande distribuidor nacional, disse que trabalha com quatro grandes fornecedores de material eletrônico. Ele contou que um dos fornecedores resolveu aumentar imediatamente os preços em 15%, já se antecipando a uma possível inflação ou especulação de mercado. Dois outros fornecedores, que são multinacionais, decidiram diminuir a produção, considerando que o mercado vai desacelerar, e seus produtos já começam a faltar. O último fornecedor continua firme, produzindo e vendendo seus produtos no mesmo ritmo e com o preço antigo, honrando seus contratos, sem dar bola para crise. O que ocorreu? Esse grande distribuidor, um dos três maiores do Brasil, passou a concentrar suas compras no último fornecedor, que praticamente triplicou seu volume de negócios com o distribuidor em apenas duas semanas. Ou seja, num período de 15 dias, esse fabricante de produtos eletrônicos ganhou dois pontos percentuais de participação de mercado no segmento em que atua, o que significa algumas dezenas de milhões de dólares por mês.
Esse mesmo empresário, que também é um grande distribuidor de comida industrializada no país (enlatados, biscoitos, massas, grãos, etc), disse que o fornecimento de comida para o interior do país - que alimenta os mercadinhos, as biroscas e os comerciantes individuais – continua forte e em crescimento. O consumo continua superaquecido. E por que isso acontece? Segundo o empresário, é porque esses comerciantes do interior não sabem que estamos em crise. Ninguém combinou com eles, nem com os clientes deles. Ou seja, no interior do país a crise não existe. A crise existe mais nos jornais e na mídia do que na vida real. Enfim, os comerciantes do interior não sabem que todos combinaram entrar em crise.

Eu acho que o pessoal de comunicação nas empresas tem um papel importante nesse cenário pré-catástrofe. Grosseiramente, podemos dividir em três perfis:

- têm aqueles que adoram falar da crise, mostrar dados, falar do caos e reverberar as previsões catastróficas dos analistas. Ou seja, são aqueles que amplificam a crise;

- têm aqueles que são passivos, que vêem a crise, até falam e escrevem a respeito dela, mas que agregam pouco valor ou conhecimento ao que já existe nos jornais. Ou seja, são os expectadores da crise;

- e têm aqueles que agem como o Mario fala em seu post. Ou seja, ampliam a conversa com o ecossistema da empresa, criam canais de comunicação de mão dupla, permitem que os empregados conversem abertamente sobre o tema, criam oportunidades que ajudam e educam as pessoas a respeito desse cenário, etc. São os que preservam a transparência e incentivam a pluralidade de visões a respeito do tema, aqueles que buscam diferentes meios de conversação, pontos de vista alternativos e análises sob diversos prismas. Estabelecer essa visão é fator importante na comunicação interna e externa das empresas.

Enfim, vale muito a pena ler o post do Mario.




Digite seu email

Um serviço do FeedBurner

5 comentários:

vini disse...

Tenho pensado bastante nisso.
Menos por opção do que pelo que têm oferecido os meios de comunicação. Eles sempre combinam de entrar juntos!
Meses atrás a histeria da vez era inflação, casada com aumento mundial no preço dos alimentos (aparentemente resolvidos..)
Mas voltando, tenho pensado bastante nisso, tentado entender tanto o aspecto financeiro mesmo da coisa, quanto o ponto-de-vista de comunicação, o papel da mídia nessa crise.
Duplo insucesso. Tenho achado os artigos repetitivos, no não-esclarecimento inclusive.
Só dá pra ter certeza da especulação. Nos dois campos!

Géh disse...

Mauro,
Semana passada li um post de Rohit Bhargava
(http://rohitbhargava.typepad.com/weblog/2008/11/high-peaks-reso.html) que me fez lembrar um texto ainda mais antigo (não lembro ao certo a fonte agora) sobre como reagir a crises de mercado. Tem pessoas que ficam "paralisadas", agourando a própria sorte, outras que se movem em busca de soluções e desta forma encontram possibilidades onde outros só enxergam "problemas". O importante é sempre estar em movimento. Quando digo movimento não estou falando de “agitação” e sim de movimento em buscas de objetivos.

Mauro Segura disse...

Géssica. Hoje, tive um encontro muito especial com a diretora de redação de uma das principais revistas do país. Ela me disse uma coisa interessante. Ela falou que os agourentos são mais rápidos e enfáticos que os coerentes e pensadores. Com isso a crise sempre aparece mais forte no início do que realmente ela é. O problema é quando essa onda negativa aparece forte e ela deixa de ser onda para virar uma espiral negativa. Aí é que a crise aparece de verdade. Obrigado por visitar o blog.

Mario Soma disse...

Mauro, obrigado pela referência. Seu blog está muito bom. Parabéns! Somos uma geração privilegiada, que esta vivendo momentos diferentes da Economia, dos negócios e da web. Abs.
mario@polvoracomunicacao.com.br

msoma disse...

Mauro,
Veja uma empresa que investiu em midias sociais e já está vendo o ROI em detalhes: http://tinyurl.com/d6lvmr

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...